As faces do amor - Norma Barreto | Psicóloga e Sexóloga em Recife

Ir para o conteúdo

As faces do amor



O amor apresenta-se de várias formas e aparências: atração, desejo, empatia, interesses, romantismo, idealização dos contos de fadas, companheirismo, resolução de problemas....
Mas, o que é de fato o amor?

Qual o sentimento que rege os seres humanos em direção ao outro para dizer que amam?

Há uma multiplicidade de sentimentos e interesses que podem mobilizar o indivíduo com a idealização do amor: romântico, sexual, funcional, social, para preencher vazios afetivos, como substitutos parentais...
Mas há compartilhamento, respeito ao outro, desejo de casal? Ou uma satisfação individual egocêntrica e egoísta que o “escolhido(a)” deverá se disponibilizar para preencher e realizar as faltas daquele(a) com a qual se pensa uma união?

A amizade e o companheirismo permeiam os relacionamentos entre pessoas que se amam, que se cuidam. Muitas vezes sentimentos e pensamentos que são deixados em segundo plano, sem muito significado aparente, fazem grande diferença no dia a dia de um casal.

Na fase inicial do casamento, o que geralmente predomina é o amor romântico, acompanhado do amor sexual. A atração física e o desejo, aliados a uma visão idealizada da parceria, fazem com que, durante um período de convivência os sonhos com um relacionamento perfeito, no qual a fantasia e excitação têm papel preponderante, direcionem a convivência do casal.

O casamento, ao contrário do que algumas pessoas pensam não significa o fim da solidão. Solidão é um sentimento subjetivo, um vazio emocional que independe da(s) companhia(s). Não compete ao outro preencher esse vazio, nem haveria condições para tal.

O vazio poderá ocorrer durante a convivência; e para que o relacionamento não caia nele é preciso carinho, atenção, respeito, amizade, cumplicidade, companheirismo, compartilhamento. Isso não significa que o sexo deixa de ser importante. Ele é fundamental em todas as fases do casamento vivenciadas das mais diferentes formas, de modo a adequar às possibilidades, condições e desejos do casal.

Norma Barreto
Psicóloga, Pedagoga, Sexóloga


Sem comentários
Agência de Publicidade
Copyright © NORMA BARRETO. Todos os direitos reservados.
Voltar para o conteúdo